Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  9.18 MB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  Efetividade da ingestão dos grãos integrais na prevenção do câncer colorretal: revisão sistemática de estudos de coorte com metanálise
Autor:  
  Patrícia Haas   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UFSC/CIÊNCIAS DOS ALIMENTOS
Área Conhecimento  
  CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS
Nível  
  Doutorado
Ano da Tese  
  2007
Acessos:  
  551
Resumo  
  Estudos epidemiológicos indicam uma possível associação da ingestão de grãos integrais com a redução do risco de doenças cardíacas; diabetes e proteção em alguns tipos de câncer. Recentemente; diversos trabalhos foram conduzidos objetivando elucidar os efeitos e possíveis mecanismos atrelados ao consumo de grãos integrais e alimentos derivados. Com base em resultados promissores; a comunidade científica internacional recomenda a ingestão de 30 g/dia de grãos integrais; a qual seria adequada para a prevenção dessas doenças. Existem evidências de que a alimentação tem um papel importante nos estágios de iniciação; promoção e propagação do câncer. Entre as mortes por câncer atribuídas a fatores ambientais; a dieta contribui com cerca de 35%; seguida pelo tabaco (30%) e de fatores variados; como condições e tipo de trabalho; álcool e poluição (menos de 5% do total). Acredita-se que uma dieta adequada poderia prevenir de três a quatro milhões de novos casos de cânceres a cada ano. Os mecanismos de ação dos grãos integrais envolvidos na prevenção do câncer colorretal (CCR) têm sido estudados; e pesquisas em humanos apresentam uma tendência positiva; o que incentiva a ingestão dos grãos integrais como uma forma de prevenção dessa doença. No Capítulo I; o objetivo foi avaliar a associação entre ingestão de grãos integrais na prevenção do CCR. Foi realizada uma revisão sistemática com metanálise; e os resultados foram analisados pelo programa RevMan 4.2.8. Foram incluídos 11 estudos epidemiológicos de coorte; com a participação de 1.719.590 pessoas na faixa etária de 25 a 76 anos; tendo 7.745 destes desenvolvido CCR (0;45%). O período de acompanhamento dos estudos variou de 6 anos a 16 anos. O risco relativo (RR) multivariado foi calculado com o modelo proporcional de Cox. O resultado da prevenção de desenvolver CCR no maior quintile acumulado dos estudos (grupo com maior ingestão de grãos integrais) foi de 6%; com RR 0;94 (IC 95%; 0;85 a 1;03); e para o menor quintile (grupo com menor ingestão de grãos integrais) a prevenção foi de 4%; RR 0;96 (IC 95%; 0;88 a 1;04). Concluiu-se que existiu maior prevenção do CCR no grupo que ingeriu maior quantidade de grãos integrais quando comparado ao grupo que ingeriu menor quantidade de grãos integrais considerando a população estudada. O Capítulo II refere-se ao documento encaminhado à ANVISA e registrado na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro; em forma de alegação à saúde sobre os benefícios do consumo dos grãos integrais. Nos EUA; o Food and Drug Administration (FDA) autorizou uma reivindicação de saúde (alegação) no dia 8 de julho 1999; que permitiu as companhias de alimento promover os benefícios dos grãos integrais para doenças cardíacas e prevenção do câncer com base em declarações autorizadas de um corpo científico federal. Em fevereiro de 2002; na Europa; o Joint Health Claims Initiative (JHCI); comitê perito e o conselho publicaram seus resultados numa reivindicação de saúde; para grãos integrais e saúde de coração. Os critérios para a aprovação dessa alegação seguiram os parâmetros utilizados pelo FDA; incluindo rigorosa análise das evidências científicas existentes. No Brasil; ainda não há regulamentação a respeito do teor mínimo de farinha e/ou grãos em alimentos integrais; de forma que os encontrados no mercado podem apresentar baixas concentrações de ingredientes integrais e; conseqüentemente; teores de fibras alimentares demasiadamente baixos. O objetivo foi relatar as evidências científicas mais importantes que respaldam os benefícios advindos do consumo de alimentos integrais. Os estudos aqui apresentados foram selecionados e divididos de acordo com sua relevância e apresentados conforme o tipo de doença associada (cardiovasculares; diabetes melito e câncer colorretal).
     
    Baixar arquivo