Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  291.56 KB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  Infecção por herpesvirus humanos 6 e 7 em receptores de transplante hepático: um estudo piloto
Autor:  
  Alicia Gell Labañino   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UFRJ/MEDICINA (DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS)
Área Conhecimento  
  MEDICINA
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2008
Acessos:  
  534
Resumo  
  Objetivo. O objetivo primário foi descrever a incidência de detecção do DNA de herpesvírus humanos 6 (HHV-6) e 7 (HHV-7) nas primeiras 12 semanas de pós-operatório de transplante hepático (TH). Métodos: Estudo de coorte prospectivo. Realizou-se a pesquisa de DNA destes vírus mediante o emprego de reação em cadeia da polimerase “em ninho” (nested-PCR) em amostras de células mononucleares de sangue periférico (CMSP) e plasma. Resultados. Foram incluídos vinte pacientes. As incidências acumuladas de detecção de HHV-6 em CMSP e plasma foram; respectivamente; 90% e 65%. Para HHV-7; as incidências observadas foram 39% (CMSP) e 15% (plasma). Nas amostras de CMSP; houve detecção dos genomas destes vírus ao longo de todo o estudo; enquanto; em plasma; os resultados positivos se concentraram entre a terceira e a sétima semanas; fato compatível com a maior especificidade da pesquisa em plasma para indicar infecção ativa. Excetuando-se a redução significante da contagem de linfócitos CD8+ em indivíduos com HHV-6 em CMSP (p=0;03); não verificamos qualquer outra associação entre a ocorrência de manifestações clínicas e laboratoriais e a detecção destes vírus. Houve aumento não significante da freqüência de rejeição nos pacientes positivos para HHV-6 em plasma (33%) em comparação com os demais (13%; p=0;6). Conclusão: Conclui-se ser frequente ocorrência de infecção ativa por HHV-6 e HHV-7 após TH. A tendência ao aumento da frequência de rejeição associada à infecção por HHV-6 é compatível com a literatura e justifica a realização de estudos com maior amostragem para definir o impacto desta infecção sobre o prognóstico após TH.
     
    Baixar arquivo