Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  2.70 MB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  Avaliação clínica, histológica e histomorfométrica do reparo de defeitos ósseos criados em mandíbula de cães preenchidos com Biovidro 45S5 ou Biosilicato® após a colocação de implantes...
Autor:  
  Roberto de Oliveira Jabur   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  USP/RP/ODONTOLOGIA (PERIODONTIA)
Área Conhecimento  
  ODONTOLOGIA
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2008
Acessos:  
  538
Resumo  
  O presente trabalho avaliou a formação de tecido ósseo ao redor de implantes osseointegráveis de titânio; após realização de defeitos ósseos; utilizando diferentes tipos de substitutos ósseos. Foram utilizados 5 cães de raça indeterminada; os pré molares e molares mandibulares foram extraídos; passados 12 semanas; os cães foram submetidos a um novo procedimento cirúrgico aonde foram realizadas as perfurações preconizados pelo fabricante dos implantes; o osso vestibular da mandíbula foi desgastado até que parte da perfuração fosse exposta; os implantes então foram colocados nas respectivas perfurações; ficando com 4 espiras expostas. Esses defeitos foram preenchidos aleatoriamente com Bioglass® 45S5; Biosilicato® ; Osso autógeno; e sem nenhum material de preenchimento. 18 semanas depois da colocação dos implantes os cães foram mortos e suas hemi-mandíbulas contendo os implantes removidas e submetidas aos analises histológiaos e histomorfométricas; os dados obtidos foram submetidos ao teste de Kruskal-Wallis. A histologia dos 4 grupos estudados revelaram a presença de tecido ósseo maduro em contato com os implantes; porem sem ralação direta com os vidros bioativos e osso autógeno. A porcentagem de contato osso implante; matriz óssea mineralizada ao redor da espira; e área de espelho; não mostraram diferenças estatísticas significantes entre os 4 materiais testados. Os resultados indicam que a presença de substitutos ósseos não interfere com a formação óssea ao redor dos implantes nesse modelo experimental. E existe resposta tecidual muito semelhante entre o osso autógeno; Bioglass® 45S5 e Biosilicato.
     
    Baixar arquivo