Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  1.51 MB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  Micropropagação de cinamomo (Melia azedarach, L.)
Autor:  
  Sandra Regina Cabel   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UFPR/AGRONOMIA (PRODUÇÃO VEGETAL)
Área Conhecimento  
  AGRONOMIA
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2006
Acessos:  
  419
Resumo  
  O presente trabalho foi desenvolvido para estabelecer um protocolo de micropropagação de plantas de cinamomo (Melia azedarach; L.). Inicialmente; utilizou-se explantes de plantas juvenis para os estudos das diversas fases da micropropagação e posteriormente o modelo foi adaptado para explantes provenientes de plantas adultas. O material vegetal juvenil foi obtido de mudas 8 meses de idade; cujos segmentos uninodais foram desinfestados e estabelecidos in vitro. Em seguida; para a fase de multiplicação dos brotos; foram testadas 9 concentrações de BAP (0; 0;55; 1;11; 1;65; 2;22; 2;77; 3;33; 3;66 e 4;4 µM) em meio básico de MS. Para o enraizamento das microestacas; avaliou-se o efeito de 5 concentrações de AIB (0; 2;46; 4;92; 7;38 and 9;84 µM) combinadas a 3 diluições do meio MS (1/3; 1/2 e 1). Para a aclimatização em casa-de-vegetação; foram testados 3 substratos (Plantmax HT®100%; Plantmax HT®50%+CAC(50%) e CAC(100%); para microestacas enraizadas in vitro durante 21 dias. Para o material vegetal coletado de planta adulta; primeiramente foi realizada uma pré-desinfestação dos segmentos apicais; e em seguida foi avaliado o efeito de 4 concentrações de NaOCl (0;5; 1;0; 1;5 e 2;0%) em 2 tempos de exposição (10 e 15 minutos) para a desinfestação e estabelecimento in vitro. O protocolo para a micropropagação de planta juvenil para as condições testadas; ficou assim definido: segmentos uninodais foram desinfestados com 30 segundos em etanol 70% (v/v) seguido de 10 minutos em solução contendo NaOCl 0;5% (v/v) com adição de Tween 20 a 0;1% (v/v) e isolados em meio básico MS contendo 4;4 µM de BAP; 0;3 µM de GA3 e 0;05 µM de ANA. Com relação à multiplicação; a concentração de 1;66 µM de BAP promoveu os melhores resultados; com taxa de multiplicação de 4;75 para microestacas axilares e 17;94 gemas formadas por microestaca; o que possibilita a multiplicação através do seccionamento do eixo vertical das brotações. Os melhores resultados para enraizamento foram obtidos com o meio MS/2 acrescido de 4;92 µM de AIB com 90% de enraizamento e 3;65 raízes por microestaca. Na aclimatização; o melhor resultado foi obtido com o transplantio de microestacas em substrato Plantmax HT® (50%)+CAC (50%). O estabelecimento de ápices caulinares coletados de planta adulta foi possível com a imersão dos segmentos apicais durante 24 horas em solução contendo fungicida sistêmico tiofanato metílico - Cercobin® a 0;7 g.L-1 (p/v) seguida de imersão em NaOCl a 1;0% (v/v) por 12 horas. Para a desinfestação dos segmentos nodais com 10 mm de comprimento o melhor resultado foi a combinação de 30 segundos de etanol 70% (v/v); seguido de 10 minutos em NaOCl a 0;5% (v/v) com 0;1% (v/v) de Tween 20. Os ápices meristemáticos foram isolados em meio MS acrescido de 4;4 µM de BAP; 0;3 µM de GA3 e 0;05 µM de ANA. O estabelecimento dos explantes deu-se após 45 dias do isolamento quando se pôde observar 85% dos explantes viáveis; com o desenvolvimento dos primórdios foliares.
     
    Baixar arquivo