Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  2.57 MB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  A face oculta do documento: tradição e inovação no limiar da Ciência da Informação.
Autor:  
  Rodrigo Rabello   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UNESP/MAR/CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO
Área Conhecimento  
  CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO
Nível  
  Doutorado
Ano da Tese  
  2009
Acessos:  
  629
Resumo  
  Dentre as inúmeras possibilidades investigativas no campo da Ciência da Informação (CI); a abordagem histórico-conceitual se faz relevante num momento em que se observam intentos de sistematização e de aprofundamento teórico desta esfera analítica; com preocupações marcadamente epistemológicas. Considerando esse universo investigativo; observou-se que o conceito documento apresenta uma posição privilegiada na "cintura protetora" do "programa de investigação científica" de Imre Lakatos; adaptado à CI por Miguel Rendón Rojas. Todavia; identificou-se que; muitas vezes; o documento fora abordado no campo da CI de forma imprecisa; principalmente; quando não foram sopesados aspectos conceituais relacionados ora pela tradição; ora pela inovação. Tendo em vista o objeto de estudo e a problemática identificada; recorreu-se às disciplinas História; Diplomática e Documentação por serem importantes para uma abordagem histórico-conceitual; justamente por reunirem esforços anteriores à CI para o estudo do documento. A investigação dessas disciplinas se justificou a partir da hipótese de que elas influenciaram e/ou contribuíram para a acepção de documento enquanto uma categoria no universo teórico da CI. Dessa conjetura; emergiram os seguintes objetivos: a) realizar um estudo histórico-conceitual para apreender em que medida as disciplinas analisadas contribuíram para a acepção de documento na CI; e b) compreender a natureza e a abrangência do conceito na CI quando pensado a partir de uma perspectiva social que contemplasse a relação dinâmica entre tradição e inovação no seu quadro teórico. Para tanto; configuram-se tradição e inovação enquanto categorias antitéticas de análise inspiradas naquelas que compõem a Historik de Reinhart Koselleck e que representam; respectivamente; "índices de realidades" e "perspectivas de futuro" do conceito documento; se pensadas; sobretudo; a partir do método da História dos conceitos; criado pelo referido autor. Nesse sentido; buscou-se aproximar a História dos conceitos; enquanto um método de análise; aos estudos de natureza histórico-conceitual da CI. O emprego de tais categorias; no âmbito do mencionado método; foi relevante por tornar perceptível a mudança histórica dos conceitos científicos analisados a partir da premissa de que a diacronia está contida no uso e na formulação sincrônica desses e que reflete; por sua vez; no processo valorativo inerente ao contexto disciplinar da CI. Dessa forma; buscou-se contemplar; num primeiro momento; aspectos teórico-contextuais no campo historiográfico; onde o conceito documento apareceu sob tensão entre duas correntes - a "História Positivista" e o movimento dos Annales - e; num segundo momento; articular tais aspectos à acepção de documento nas disciplinas Diplomática e Documentação; que; igualmente; expressaram conceitualmente a dinâmica entre tradição e inovação. Por fim; desvelou-se a "face oculta" do conceito na condição de uma categoria no "programa de investigação" da CI. Argumentou-se que o recurso histórico-conceitual fora imprescindível para que tal enunciação pudesse ser justificada. Com tal abordagem; chegou-se a aspectos essenciais que ajudaram a remontar a tradição e a inovação no contexto disciplinar da CI; dentre os quais se destacaram: a) enfoque teórico entre informação e documento (perspectivas objetiva; subjetiva e social); b) enfoque na relação sujeito/objeto (objetivista ou subjetivista); c) natureza do objeto/registro (natural; artificial; textual; etc.); d) categorias para identificar a fase objeto/documento (unicidade; virtualidade e significação); e e) natureza do produtor do documento.
     
    Baixar arquivo