Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  2.42 MB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  A competência fluvial do Ribeirão Taquaruçu - MS
Autor:  
  João Lúcio Echeverria   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UFMS/GEOGRAFIA
Área Conhecimento  
  GEOGRAFIA
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2008
Acessos:  
  429
Resumo  
  A bacia hidrográfica do Ribeirão Taquaruçu possui uma área de aproximadamente 2.303,47 km², e o rio principal tendo a sua nascente na Serra de Maracajú, no Município de Nioaque e Anastácio, percorrendo no sentido de sul para norte, e a sua foz localizada no Rio Aquidauana, no município de Anastácio no Estado de Mato Grosso do Sul. Nesta bacia, predominam topografias variadas onde praticamente mais de 56% da área total da bacia já foi antropizada, na qual se encontra somente 27% da vegetação natural (floresta), enquanto o restante da área, 16%, localiza-se nas áreas úmidas e lagoas. Para um melhor mapeamento da área em estudo, utilizou-se o sistema de geotecnologias SIG (Sistema de informação Geográfica) e SPRING (Sistema de Processamento de Informações Georreferenciadas) para a elaboração de mapa de uso e ocupação de solo e de declividade. O uso do sensoriamento remoto permitiu a quantificação das áreas ocupadas, e elaborou-se, também, o cruzamento de PI’s (Plano de Informações) de uso do solo e declividade, que permitiu o delineamento das áreas antropizadas com as suas declividades. Para uma avaliação mais direta dos processos de assoreamento e transporte de sedimento no canal do rio, foram instaladas 05 (cinco) estações experimentais: sendo a primeira estação na confluência do Ribeirão Taquaruçu com o Rio Aquidauana, a segunda estação a jusante da confluência do córrego Carandá com o Ribeirão Taquaruçu, a terceira estação a montante da confluência do córrego Carandá com o Ribeirão Taquaruçu, e a quarta estação a jusante da confluência do córrego Engano com o Ribeirão Taquaruçu e a quinta estação a montante da confluência do córrego Engano com o Ribeirão Taquaruçu, onde foram mensuradas as concentrações de Material em Suspensão na coluna d'água do rio. Foram feitos análises e correlações do uso do solo com a declividade, juntamente com a concentração do material em suspensão orgânico e material inorgânico, o que possibilitou fazer um diagnóstico das prováveis causas que estão acarretando a degradação da bacia do Ribeirão Taquaruçu, principalmente no tocante ao carreamento de material inorgânico para dentro do curso principal.
     
    Baixar arquivo