Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  5.08 MB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  O reinado do congo no império do Brasil congado de Minas Gerais no século XIX e as memórias da África Central
Autor:  
  Larissa Oliveira e Gabarra   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  PUC-RIO/HISTÓRIA SOCIAL DA CULTURA
Área Conhecimento  
  HISTÓRIA
Nível  
  Doutorado
Ano da Tese  
  2009
Acessos:  
  412
Resumo  
  O estudo das influências centro africanas no congado de Minas Gerais no século XIX possibilitou uma análise sobre a história dos africanos e seus descendentes, membros das Irmandades de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito. Essas irmandades foram consideradas como o espaço da experiência da liberdade, pois a partir das heranças culturais, religiosas e políticas da África Central foram capazes de reconstruir funções sociais que exerciam nos seus contextos originais, como resultado das relações inter-étnicas nas circunstâncias históricas que lhes couberam. A partir das memórias congadeiras foi possível rastrear uma trajetória familiar oriunda dos arraiais e vilas que se constituíram no início do século XIX, depois de um período de destruição dos quilombos da região, como também observar o horizonte de expectativas possíveis para os africanos e seus descendentes na sociedade Imperial. Nesse sentido, experimentaram na unidade do reinado do Congo uma diversidade de nações de procedência: Moçambiques, Congos, Marinheiros, Catupés e Vilões, cuja distinção se evidenciava através da nomenclatura dos ternos e dos ornamentos corporais utilizados.e ganhava forma na organização referida aos mitos fundadores. Essas marcas de identidade são entendidas na tese como relíquias da história da diáspora africana, já que registram processos da história da África Central.
     
    Baixar arquivo