Portal Domínio Público - Biblioteca digital desenvolvida em software livre  
Missão
Política do Acervo
Estatísticas
Fale Conosco
Quero Colaborar
Ajuda
 
 
Tipo de Mídia: Texto
Formato:  .pdf
Tamanho:  380.84 KB
     
  Detalhe da ibra
Pesquisa Básica
Pesquisa por Conteúdo
Pesquisa por Nome do Autor
Pesquisa por Periodicos CAPES
 
     
 
Título:  
  Resposta de vacas leiteiras à substituição de milho por glicerina bruta
Autor:  
  Ozana de Fátima Zacaroni   Listar as obras deste autor
Categoria:  
  Teses e Dissertações
Idioma:  
  Português
Instituição:/Parceiro  
  [cp] Programas de Pós-graduação da CAPES   Ir para a página desta Instituição
Instituição:/Programa  
  UFLA/CIÊNCIAS VETERINÁRIAS
Área Conhecimento  
  MEDICINA VETERINÁRIA
Nível  
  Mestrado
Ano da Tese  
  2010
Acessos:  
  180
Resumo  
  A resposta de vacas leiteiras à substituição total de milho maduro finamente moído por glicerina bruta foi avaliada. Dezoito vacas Holandesas formaram seis grupos de três animais com base na ordem de parto e produção diária de leite. Um grupo foi formado por primíparas. Dentro de cada grupo, as vacas foram aleatoriamente alocadas a uma sequência de três tratamentos em Quadrados Latinos 3×3 com períodos de 28 dias. As vacas foram alimentadas individualmente com dieta completa. Os tratamentos foram: Dieta basal (Controle), dieta basal acrescida de um aditivo em teste, ou substituição de milho no Controle por mistura isoprotéica de glicerina bruta e farelo de soja (Glicerina). Apenas o contraste Controle vs. Glicerina será discutido. A conteúdo dietética de glicerina bruta foi 12,3% da matéria seca e o teor de milho no Controle foi 14,8%. A glicerina bruta continha 6,3% de umidade, 76,2% de glicerol e 8800 ppm de metanol na matéria natural. A substituição de amido de milho por glicerina bruta deprimiu a produção diária de leite de 23,4 para 21,3 kg (P=0,02), sem afetar o consumo (P=0,85), resultando em queda na eficiência alimentar (P=0,01). A secreção diária de lactose foi menor na Glicerina (P=0,01), havendo também tendência fraca de queda na secreção láctea de proteina (P=0,13). A concentração plasmática de glicose foi menor na Glicerina (P=0,03). Na Glicerina houve aumento na proporção molar e no teor de butirato no fluido ruminal (P<0,05) e queda na proporção de acetato (P=0,01), sem afetar a de propionato (P=0,18), resultando em queda na relação entre acetato e propionato (P=0,04). O consumo de matéria orgânica digestível (CMOD) não diferiu (P=0,29), apesar da digestibilidade aparente da matéria orgânica no trato digestivo total ter sido maior na Glicerina (P=0,02). Houve queda na relação entre a secreção diária de energia no leite e o CMOD na Glicerina (P=0,01). Não houve evidência de mudança na síntese relativa de proteína microbiana estimada pela excreção diária de alantoína na urina (P=0,87) ou na eficiência de síntese microbiana estimada pela relação entre a alantoína excretada e o CMOD (P=0,64). A ingestão por unidade de tempo foi maior na Glicerina (P=0,03), o tempo de ruminação não diferiu (P=0,36). A substituição total de milho por glicerina bruta reeduzir a produção de leite e a eficiência alimentar, menor disponibilidade de glicose para síntese mamária de lactose foi um mecanismo plausível na resposta.
     
    Baixar arquivo